Finanças na ponta dos dedos

enviado originalmente em 27/06/2018  para os seguidores cadastrados em nossa newsletter.
para receber nossos artigos em primeira mão, clique aqui .


Olá, meus queridos irmãos e amigos!
Que a Graça e a Paz de NSJC estejam com você, sua casa e sua família!

Hoje falaremos sobre “Finanças na ponta dos dedos”. Mas, o que isso quer dizer, exatamente?

Quero lhes dizer o seguinte – grave bem: mais importante do que a quantidade de dinheiro que você ganha, ou aonde ele esteja aplicado, ou quantos bem você possua, mais importante do que tudo isso é você ter efetivamente o controle de entradas e saídas de dinheiro na sua casa.

Independente do seu nível social, nem de quantas fontes de renda possua, nem de quantas pessoas há trabalhando na sua casa, você e sua família só vão ter felicidade financeira e alcançar a liberdade da qual tanto falamos aqui desde o primeiro e-mail se você se dedicar pelo menos 1h por semana para cuidar de sua administração financeira pessoal.

Se você não fizer isso pelo seu próprio bem e de sua família lamento dizer, mas ninguém vai fazer. E depois não adiantará se queixar com Deus sobre o seu pecado de negligência.

Pense comigo e veja se você não se enquadra nesta situação, ou algo bem parecido: você trabalha pelo menos 8hs por dia ou 40 horas por semana  – fora o tempo no trânsito –  para ganhar seu salário mensal, e no final do mês você acaba tendo a sensação de que ele foi embora e nada ficou. Passa um ano e antes do Natal você reclama que não conquistou nenhuma novidade, e que só vive para trabalhar pra pagar contas…

Sim, ou com certeza?

Este é outro sentimento dominante, nocivo e maligno predominante na nossa sociedade nos dias atuais. Não é a causa, mas sim o reflexo e uma consequência do pecado. Tem haver com preguiça e falta de mordomia com os recursos que o Senhor têm disponibilizado a cada um.

São mais de 40 horas semanais de duro trabalho – trocados por dinheiro –  em contraponto a zero hora de gestão do mesmo. Nunca vai dar certo.

Quando eu sou convidado a dar palestras em igrejas, universidades, clubes e associações eu costumo usar a seguinte ilustração:

“Dinheiro é igual a um filho adolescente: Se você não sentar com ele pelo uma vez por semana para conversar, aos poucos ele vai perder a amizade com você, vai começar a andar em más companhias, e um dia vai se rebelar contra você e fugir da sua casa”.
Anderson de Alcantara

Quero dizer com isso que ter um controle financeiro pessoal é a forma básica e essencial em matéria de se lidar bem com o dinheiro. É através dele que você conhece exatamente a sua renda, os seus gastos e o que pode ser melhorado para sobrar mais dinheiro no fim do mês.

Dinheiro para fazer uma reserva financeira, investir e multiplicar sua renda. Dinheiro para ter férias inesquecíveis com a família, poder apoiar causas que você acredita, socorrer uma pessoa querida num momento imprevisto.

Não estamos falando só sobre dinheiro, mas sobre qualidade de vida. Quando você tem um bom controle financeiro, se preocupa menos com as contas do mês e, em escala, com a manutenção do seu patrimônio e do padrão de vida familiar na aposentadoria.

80% das famílias que dão respostas positivas em pesquisas sobre sua situação financeira, ao redor do mundo, independente da condição ou sua renda, possuem algum tipo de controle de receitas e despesas.

Eis aqui uma lista das coisas básicas que todo ser humano que lida com dinheiro deveria saber, ou ter acesso de forma rápida e imediata quando solicitado:

  • Conhecer sua renda;
  • Saber qual é seu custo de vida;
  • Dividir seus gastos por tipo / categoria;
  • Conhecer suas despesas extras;
  • Ter um plano e data para quitação de dívidas – se as houver;
  • Ter uma lista de objetivos;
  • Ter metas de economizar;
  • Investir suas economias.

Parece muito trabalho, mas acredite: só o é no começo, quando saímos da inércia. É o mesmo processo de começar uma dieta, ou retomar os exercícios. O mais difícil é o primeiro dia. Com o tempo e os resultados aparecendo, isso acaba se tornando um prazer.

Controlar as finanças não precisa ser algo tão complicado. Você pode fazer num caderno, numa planilha, ou usar um programa ou app para isso.

Não importa como você faça, o importante é que faça!

Para facilitar essa tarefa, meu colega Victor Leitão do Blog Mobills listou os 17 melhores aplicativos para controle financeiro pessoal existentes hoje no mercado. Que tal testar um deles?

“Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem lhes confiará as verdadeiras riquezas?”
Lucas 16:11

Na Parábola dos Talentos (Mateus 25:14-30) o Senhor Jesus nos ensina muitas lições. Uma delas é a respeito do pecado da negligência.

Para justificar nosso fracasso, costumamos associar riquezas materiais à ganância, e pobreza à humildade e proximidade com Deus. Esta passagem nos prova que este raciocínio está completamente equivocado. É possível pecar tanto no pouco como no muito:

“Pois a quem tem, mais será dado, e terá em grande quantidade. Mas a quem não tem, até o que tem lhe será tirado.”
Mateus 25:29

Para o servo preguiçoso, a verdade veio à tona e o castigo foi imediato. Porém para os mordomos fiéis as recompensas do Senhor foram claras: reconhecimento pessoal e aumento material!

Amém?!

Bem, eu acho que a essa altura de nossos conteúdos você já percebeu que em matéria de prosperidade financeira:

  • Não existe promessa que antes não requeira obediência;
  • Não existe resultado sem trabalho;
  • Quanto mais trabalho, mais resultado;
  • Quanto mais fidelidade, mais bênçãos.

É assim que Deus opera. Êle é o Deus do impossível. O possível cabe a nós fazer.

Peça agora mesmo a Jesus que lhe ajude a entender as mudanças que você precisa fazer no seu estilo de vida em direção ao plano perfeito que Êle traçou para você, e se permita – dia a dia, passo a passo – agir sob as orientações do Santo Espírito de Deus, fazendo a Sua vontade exatamente onde você está, daqui por diante, rumo a um alvo glorioso de vitória, honra, paz e abundância.

Fique conosco, continue orando por esse Ministério, e até o próximo encontro, se Deus quiser!

Forte abraço! Fiquem na Paz!

Prof. Anderson de Alcantara

 

 

 

 

videiraef.com.br
facebook.com/videiraef
instagram.com/videiraef

Você e o dinheiro

enviado originalmente em 10/03/2018  para os seguidores cadastrados em nossa newsletter.
para receber nossos artigos em primeira mão, clique aqui .


Olá, aqui é o Anderson!
Espero que esta mensagem o(a) encontre novamente na Graça redentora e na Paz reconfortante de NSJC.

Sabe, uma das coisas que mais vi as pessoas se complicarem na vida, ao longo de 29 anos de carreira no mercado financeiro, é no seu relacionamento com o DINHEIRO.

dinheiro

 

Dinheiro é algo interessante de se analisar, porque desde sua invenção fascina, atrai e revela os verdadeiros sentimentos no coração do homem/mulher, embora no fundo não passe basicamente de uma ferramenta para facilitar um sistema de trocas.

Se eu quero trocar uma banana por uma banana, fica fácil fazer isso. Mas e se quero trocar uma banana por uma maçã? O que vale mais? Quantas bananas por maçã? E um ovo? E uma galinha?

O dinheiro também serve como reserva de capital: não consigo guardar bananas por que elas estragam. Mas se eu vender as bananas, trocando por dinheiro, consigo guardar o dinheiro.

Então basicamente o dinheiro tem essas duas funções muito práticas (e úteis): facilitar negócios e acúmulo/reserva.

Sendo assim, o dinheiro por si só não consegue ser bom ou ruim. Há uma crença popular que diz que “o dinheiro é a raiz de todos os males”. Só que na verdade não. O pensamento completo, correto, dito pelo Apóstolo São Paulo em uma de suas cartas narradas nos evangelhos nos diz:

 

“Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males…” 

1 Timóteo 6:10

 

Então, se o dinheiro é algo que não possui virtude ou defeitos próprios nem tampouco vontade ou autonomia para movimentar-se sozinho, porque ele acaba levando toda a culpa pelo fracasso de vida de algumas pessoas?

  • Por que para algumas pessoas é fácil administrar as finanças, e para outras é tão difícil?
  • Porque parece que alguns atraem dinheiro, enquanto outros o repelem?
  • Será que a vida apresenta oportunidades a todos, e as escolhas é que fazem a diferença?

Primeiramente, é preciso combater as “crenças limitantes” – ideias equivocadas que são tomadas por verdades absolutas, e que impedem muita gente de ter uma boa relação com suas finanças.

Uma das razões para isso, é o medo do dinheiro. “É o quarto maior medo do ser humano, só perdendo para o medo de falar em público, da morte e de avião, nessa ordem”. Incrível, não?!

É por isso que grande parte das pessoas sonha pequeno e acha que não tem capacidade ou não merece ter dinheiro. Então a profecia se concretiza e elas realmente não prosperam…

Outro ponto importante de encarar é que existe uma cultura negativa predominante em torno da riqueza no nosso País, onde se crê que ter dinheiro é errado, é pecado, ou que só se conseguiu obtê-lo de forma ilícita, desleal, ou explorando as pessoas.

Essa é uma das muitas armas de Satanás para nos manter no atraso e continuarmos sendo um povo miserável. Isso se deve a uma série de fatores relacionados à formação da nossa sociedade nesses 500 anos de história, impregnados de ideologia política, oligárquica e religiosa. É assunto para tese de mestrado. Coisa para se discorrer por horas. Mas o fato é que, no geral, somos um povo hipócrita: enquanto achamos errado ser rico, formamos longas filas nas portas das lotéricas quando algum prêmio alto se acumula, e corremos para nos inscrever em programas de televisão que distribuem prêmios volumosos aos participantes. Uma tremenda incoerência.

Aqui, mais uma vez enquanto Cristãos, devemos romper com o sistema mundano vigente, nos libertar de amarras de escravidão, e nos comportar diante do que nos diz o Senhor através das suas escrituras!

 

Entenda, e liberte sua mente, sabendo que para Deus não há nada de errado em você ser uma pessoa próspera. Desde que:

  • este não seja meramente o objetivo final de seus planos;
  • isso não lhe desvie dos valores do Reino e de sua Salvação;
  • você tenha a consciência de que você é MORDOMO DO SENHOR com relação a tudo o que Êle lhe confia em mãos;
  • você não se torne uma pessoa egoísta, estando sensível aos anseios da sua família, seus irmãos e da sociedade;
  • abençoe outras vidas, diretamente (ajudando) ou indiretamente (gerando empregos, apoiando oportunidades de negócios).

 

“Porque sou eu que conheço os planos que tenho para vocês’, diz o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de causar dano, planos de dar a vocês esperança e um futuro.”

Jeremias 29:11

 

Faça hoje ainda uma reflexão profunda e sincera sobre como tem sido a sua atitude e os sentimentos do seu coração diante do seu relacionamento com o dinheiro e os bens materiais deste mundo, pois:

 

“Assim, se vocês não forem dignos de confiança em lidar com as riquezas deste mundo ímpio, quem lhes confiará as verdadeiras riquezas?”

Lucas 16:11

 

Contem sempre comigo! Estarei sempre por aqui.
Forte abraço! Fiquem na Paz!

Prof. Anderson de Alcantara

 

 

 

 

videiraef.com.br
facebook.com/videiraef
instagram.com/videiraef

No meu tempo, ou no Tempo de Deus?

enviado originalmente em 21/03/2017 para os seguidores cadastrados em nossa newsletter.
para receber nossos artigos em primeira mão, clique aqui .


Olá, aqui é o Anderson!
Espero que esta o encontre novamente na graça redentora e na paz reconfortante de NSJC.

Você está com pressa? Opa, então feche esta mensagem agora e retorne – ainda hoje – assim que as coisas estiverem mais tranquilas.  Separe 10 minutinhos do seu tempo para ter um momento à sós com Deus pois trataremos hoje justamente desse recurso que vale mais do que dinheiro: o TEMPO.


 

Tudo tem seu tempo

 

Talvez você esteja abrindo essa reflexão de hoje um pouco angustiado, pois temos investido um tempo precioso com você aqui neste espaço falando de valores e fundamentos bíblicos para se alcançar a felicidade na área financeira, segundo as orientações de Deus, mas pode ser que você esteja necessitando de uma resposta urgente à questões (sim, já vou colocar no plural) pelas quais você já tem orado faz algum tempo.

Quando fazemos um pedido a Deus, imediatamente logo após o “Amém” ficamos na dúvida sobre o qual será o tempo de resposta de Deus à oração que acabamos de fazer. Geralmente saímos da sua presença com a sensação de que o tempo dÊle não “casará” com o nosso, e que prazos e oportunidades poderão ser perdidos.

Sim. O tempo de Deus é diferente do nosso. Seus caminhos não são os nossos. Vivemos segundo o tempo terreno, enquanto Deus gerencia o universo sob a perspectiva eterna. Viver aqui num mundo cujo tempo é cronometrado e esperar pelo tempo de Deus é difícil.

Quando necessário, Deus age com urgência. Sim! Eu poderia lhes relatar diversas experiências que já vivi, ou testemunhei, de respostas vindas à orações em fração de segundos. Mas em boa parte do tempo Êle está coordendando todas as circunstâncias envolvidas na realização do nosso pedido. E isso vai muito além do que estamos vendo ou sentindo.

Um bom exemplo que costumo dar é o de crianças que estão sob a promessa dos pais em que, “se amanhã fizer tempo bom” irão ao parque.  Tão logo ouvem uma promessa desse tipo os pequenos põem-se a orar, desenhar um sol no chão do quintal (quem nunca? rs) e até mesmo a fazer promessas para que amanhã tenham um belo dia de sol no parque entre si e com sua família, já que os últimos dias têm sido nublados.  Tudo o que elas vêem é essa necessidade simples: tempo bom amanhã!  Só que do outro lado da cidade, imagine que um pequeno agricultor está orando a Deus pedindo chuva, pois apesar de os últimos dias terem sido amenos, não tem caído nenhuma gota do céu. E se isso durar mais 24 horas, ele poderá perder toda a sua pequena plantação, que é o único meio de sustento de sua família…

O que você faria, como Deus, nessa situação? Mandaria chuva para o agricultor? Creio que sim. Agora pense na frustração daquelas crianças amanhã. Como mostrar a elas que você continua as amando, e que em breve poderá lhes atender seu pedido – mas não hoje?

Imagine agora a complexidade que Deus tem em lidar com 7 bilhões de necessidades diárias…

Ainda que oremos com fé, temos de lembrar que o resultado e o tempo estão nas mãos dÊle, entender e sermos gratos por isso. Ao final desta leitura leia o capítulo 3 inteiro de Eclesiastes. Ele elenca que há tempo para cada coisa debaixo do céu. Portanto, se você orou por uma bênção e ainda não a obteve, não se culpe nem tenha raiva de Deus. Ele às vezes permite que passemos um pouco de tempo mais para sermos abençoados para obter nossa atenção, a fim de poder conversar conosco. Então, continue a orar e não perca a esperança.

Vamos orar por isso? Leia estas frases inicialmente, e depois prossiga com suas próprias colocações diante do altar do Senhor:

 

“Querido Deus, sei que eu quero todas as respostas às minhas orações neste exato momento, mas Tu queres que eu seja paciente e que espere em Ti. Entrego a Ti as minhas preocupações e deixo o resultado nas Tuas mãos. Ajuda-me a descansar ciente de que o Teu tempo é perfeito e justo. Em nome de Jesus, amém!”

 

O tempo do Senhor é perfeito. Quando nos rendemos à sua autoridade, seu senhorio, sua paternidade, nos sentimos livres. Ainda que você possa não entender exatamente o que Deus está fazendo, pode confiar:  Ele está agindo!

Contem sempre comigo! Estarei sempre por aqui.
Forte abraço! Fiquem na Paz!

Anderson de Alcantara

 

videiraef.com.br
facebook.com/videiraef

Reconhecendo o Senhor como dono de tudo

enviado originalmente em 21/02/2017 para os seguidores cadastrados em nossa newsletter.
para receber nossos artigos em primeira mão, clique aqui .


“Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam”. Salmos 24:1

Olá, aqui é o Anderson!
Espero que esta o encontre na graça redentora e na paz reconfortante de NSJC.

Nossa reflexão desta semana, assim como na semana passada, aparentemente versa sobre um assunto óbvio quando falamos com Cristãos que já caminham na luz há algum tempo. Mas permita-me trazer uma nova reflexão sobre esse tema. Essa é uma das características que torna a Palavra de Deus viva e eficaz. Separe 10 minutinhos do seu tempo para ter esse momento à sós com Deus.


Inúmeras passagens bíblicas ressaltam o poder e o governo de Deus sobre todas as coisas. Todos os autores bíblicos em algum momento enaltecem sua glória e majestade. Até o mais novo convertido, antes mesmo de assumir a sua condição de pecador e que o único que o pode livrar desta condenação é o Senhor Jesus, já entendeu em seu coração que tudo que existe à sua volta só foi possível pelas mãos do Criador.

 

“Tua é, Senhor, a magnificência, e o poder, e a honra, e a vitória, e a majestade; porque teu é tudo quanto há nos céus e na terra; teu é, Senhor, o reino, e tu te exaltaste por cabeça sobre todos. E riquezas e glória vêm de diante de ti, e tu dominas sobre tudo, e na tua mão há força e poder; e na tua mão está o engrandecer e o dar força a tudo.” 1 Crônicas 29:11 e 12

Um crente fiel reconhece que Deus é o Senhor de tudo. Ele é dono de todas as coisas e circunstâncias. Nenhuma riqueza ou poder pode ser criado pelo homem.

Até aqui, estamos juntos? Perfeito!  Se você não discorda destas afirmativas, aqui vão 2 aplicações práticas que você deve incorporar à sua vida imediatamente se quiser ser aprovado por Deus como um mordomo 100% fiel:

1) Se Deus é dono de todas as coisas Êle também é dono do dinheiro que está com você.

Inclusive dos 90% que “sobraram para você” após você ter entregue o seu dízimo. Tudo. Tudinho mesmo!

Não estou falando que você tenha que fazer alguma entrega adicional em dinheiro na casa do Senhor além do seu dízimo. Estou falando que você tem a obrigação de gastar o que ficou com você prestando contas a Êle de todo o 100% no final das contas (da semana, do mês, do ano, do que for).

Se cremos que Deus é dono de todas as coisas desta terra, e Êle nos confiou este mês a quantia ‘X’ que está nas nossas mãos, é porque Êle entende que esta quantia é suficiente para atender a todas as nossas necessidades, provendo o essencial para nós e nossas famílias, dentro de um padrão razoável, e ainda com capacidade de ajudar a promover a Sua justiça neste mundo.

O dinheiro é uma forma escritural de representação de todas as riquezas que Deus colocou neste mundo e nos deu para administrar. Quando reconhecemos Deus como proprietário de todas as coisas, todas as decisões de gasto do dinheiro que está conosco se tornam decisões espirituais.  Não perguntamos mais: “Senhor, o que Tu queres que eu faça com o meu dinheiro?” e sim: “Senhor, o que Tu queres que façamos com o Teu dinheiro?”

Como não sabem lidar com o dinheiro desta forma, muitos cristãos têm atitudes erradas em relação às posses materiais terrenas, e tomam decisões financeiras incorretas que os conduzem a consequências dolorosas.  Padrões de vida exacerbados, vaidades e excesso de desejos materiais (roupas de marca, carros possantes, celulares top de linha, viagens ao exterior, festas luxuosas, etc.) muitas das vezes construídos à base de gastos sem medida, sem constituir provisão para os dias difíceis ou até através do endividamento sem necessidade.

“Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes(…).” Hebreus 13:5a

 

Dessa forma, um bom Cristão deve admitir que não pode sair gastando o dinheiro que o Senhor lhe confia de qualquer maneira, visando apenas o seu próprio bem-estar. Antes, deve buscar saber com Deus a melhor maneira de fazer com que este dinheiro satisfaça as necessidades familiares (imediatas e futuras), e possa ser instrumento abençoador de vidas (através de ofertas especiais e caridade).

Quando reconhecemos Deus como proprietário de todas as coisas, entendemos que tudo o que fazemos, seja para nossos patrões, para a sociedade, para a família, para o meio ambiente ou para a Igreja, na verdade estamos fazendo para Deus.  E isso nos leva à segunda aplicação prática de hoje:

2) Se tudo o que fazemos nesta terra é para cuidar do que é de Deus, tudo o que fazemos no nosso dia-a-dia devemos fazer como se fosse sempre para Êle – porque de fato o é!

O Senhor nos chamou para fazer diferença na sociedade, sendo exemplo em tudo. Não só na questão da honestidade e integridade moral, mas também ao prestarmos um serviço de excelência em tudo o quanto fizermos – e não só quando estamos na Igreja, ou trabalhando em nosso ministério ou pequeno grupo.

 

“Vós sois a luz do mundo; não se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte;”  Mateus 5:14

 

Pesquisas dizem que no Brasil 72% das pessoas estão insatisfeitas com seu trabalho atual. É de se esperar, pela lógica, que muitos Cristãos também o estejam. Talvez você mesmo(a) esteja insatisfeito(a) com seu trabalho. A questão é como você lida com isso.

Mediante a sua insatisfação atual você tem tido uma atuação relapsa no seu trabalho, chegando a qualquer horário, fazendo as coisas de qualquer jeito, perdendo prazos, desperdiçando materiais, passando boa parte do expediente pendurado nas suas redes sociais, indo na onda dos seus colegas e falando mal dos patrões pelos corredores?  Caso afirmativo, isso pode ser a explicação do porque as coisas tem demorado a melhorar para você…

 

“Exorta os servos a que se sujeitem a seus senhores, e em tudo agradem, não contradizendo,” Tito 2:9

 

Pode ser que para as coisas começarem a mudar na sua carreira e na sua vida financeira você tenha que mudar a sua postura quanto à execução do seu trabalho, passando a fazê-lo como se o estivesse fazendo diretamente para o Senhor e consagrando-o (o trabalho) no início e término de cada dia. Independente de quão mal-remunerado ou injustiçado você se considere.

Nesse sentido, um dos exemplos que eu mais gosto é o de José, filho de Jacó. Você conhece a história. Ele foi traído e vendido por seus irmãos, foi parar como escravo no Egito, começou a trabalhar na casa de Potifar e mesmo diante de tanta indignação e revolta que poderia desenvolver.. ele fez um excelente trabalho e adquiriu a confiança de seu patrão. Como recompensa, recebeu da esposa de seu amo uma terrível e mentirosa acusação, pela qual foi preso e foi parar na cadeia. Que injustiça! José tinha tudo para sentar num canto daquela cadeia e ficar reclamando de Deus, dos seus irmãos, dos egípcios, e da vida. No entanto, não foi isso o que ele fez:

 

“O Senhor, porém, estava com José, e estendeu sobre ele a sua benignidade, e deu-lhe graça aos olhos do carcereiro-mor. E o carcereiro-mor entregou na mão de José todos os presos que estavam na casa do cárcere, e ele ordenava tudo o que se fazia ali.  E o carcereiro-mor não teve cuidado de nenhuma coisa que estava na mão dele, porquanto o Senhor estava com ele, e tudo o que fazia o Senhor prosperava”. Gênesis 39:21 a 23

 

E o que se sucedeu em seguida, imagino que você também saiba, é que ele foi alçado a Governador do Egito, sendo o braço direito do Faraó. E, mais uma vez, realizou um trabalho de extrema excelência, e no tempo certo – conforme Deus planejara – começou a ser recompensado e abençoado, abençoando inclusive seus irmãos e seu pai.

 

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” 1 Coríntios 10:31

 

Que você possa refletir sobre o que tem feito com os recursos que o Senhor tem colocado em suas mãos para operar, trabalhar, e frutificar. Tenho certeza de que você encontrará bastante espaço para melhorar a sua relação com seu dinheiro e seu trabalho.

Compartilhe essa reflexão com outros irmãos de sua Igreja, discuta esse assunto na próxima reunião de seu pequeno grupo ou Ministério. Veja o que outros irmãos podem pensar e lhe ensinar a esse respeito e se ajudem mutuamente a melhorarem nesse sentido.

Contem sempre comigo! Estarei sempre por aqui.
Forte abraço! Fiquem na Paz!

Anderson de Alcantara


www.videiraef.com.br
https://www.facebook.com/videiraef