Você é 100% honesto(a)?

enviado originalmente em 14/02/2017 para os seguidores cadastrados em nossa newsletter.
para receber nossos artigos em primeira mão, clique aqui .

Olá, aqui é o Anderson.
Que a Graça e a Paz de NSJC sejam contigo!

 

Primeiramente, peço-lhe que resista à tentação de não ler este artigo.

 

Sim, parece que o assunto desta reflexão é meio óbvio, e pode parecer até uma afronta me dirigir a pessoas que professam publicamente a sua Fé em Cristo perguntando-as se elas são realmente 100% honestas… mas não é. Deus quer nos falar algo a respeito disso hoje.  Separe uns 10 minutos a sós com Êle para esta reflexão.

 

Deixe eu lhe comprovar a necessidade de abordarmos esse assunto por meio de um episódio no qual eu fui protagonista.

 

Em 2009 fui indicado a participar de um treinamento de formação de professores para o curso Crown de Finanças, que seria dado pela Universidade da Família em minha cidade. Como meu Pastor e meu Líder de Ministério das Famílias queriam implantar aquele curso em nossa igreja, lá fui eu.

 

Naquele sábado, a sala alugada para ministrar esta capacitação estava repleta de representantes de diversas igrejas e denominações. Havia até gente de fora do Rio de Janeiro, uma vez que esse treinamento não acontece a todo instante.  Os participantes foram dispostos em círculo, e não em fileiras como de costume.

 

Logo após a apresentação e oração inicial, o Professor palestrante foi direto para nós com esta pergunta que está no título do e-mail:

 

– Você é 100% honesto(a) ?

 

Apontou para um dos participantes, que de pronto respondeu –“Sim!” e foi seguindo a ordem do círculo no sentido horário aguardando a resposta de cada um.

 

Eu estava do outro lado da sala, e senti um incômodo nascer no meu coração e começar a borbulhar cada célula do meu corpo. A cada irmão/irmã que respondia –“Sim!” meu coração me acusava de pequenas ilicitudes que eu cometia recorrentemente, mesmo sendo crente há mais de 30 anos, como por exemplo:

  • As apostilas da faculdade que eu imprimia no trabalho utilizando papel e toner do meu patrão, sem que o mesmo soubesse;
  • Aquele um ou outro recibo extra que eu pedia ao médico ou dentista para jogar na minha declaração de imposto de renda;
  • Aquele DVD do meu filme favorito que eu comprei no mesmo mês em que eu tinha dito para a minha esposa que estávamos sem dinheiro para sair juntos ao cinema…

Graças a Deus, antes que eu desmaiasse e acordasse somente no dia do juízo final, a pessoa ao meu lado falou seu firme –“Sim!” e quando levantei meu olhar o Professor palestrante estava com o dedo apontado para mim aguardando a minha resposta.

 

–“Não.” – eu disse, e abaixei a minha cabeça.

 

Ele prosseguiu com a sequência e quando apontou para o irmão ao meu lado, este demorou um pouco mais do que o habitual e, timidamente, balbuciou: –“Não.” – também. Em seguida, dali até ao final da roda, todos os irmãos passaram a responder –“Não.”  Ao final, o Professor palestrante perguntou se alguém gostaria de mudar a sua resposta.  Todos os que, antes de mim, haviam dito –“Sim!” com convicção, mudaram suas respostas para um –“Não.” resignado.

 

Então, o Professor palestrante se dirigiu a mim e me agradeceu por “ter liberado o –‘Não.’ remidor” daquela turma, e perguntou que motivos me levaram a fazê-lo. Citei os 3 exemplos acima e ele me pediu para parar. Provavelmente se não o tivesse feito eu iria citar todos os exemplos aparentemente pequenos de desonestidade que eu cometera na vida – mesmo tendo aceitado a Cristo aos 9 anos de idade.

 

Dali em diante ele discorreu com tremenda felicidade que o princípio-base da fidelidade é a honestidade; e seguiu com o programa.
Vamos pensar um pouco sobre isso. Faça uma pausa na leitura agora e pense se você estivesse naquela roda comigo. Liberaria o –‘Não.’ remidor da turma ou ainda se arriscaria a dar um –“Sim!” com convicção?

 

Honestidade significa ser verdadeiro, transparente, não roubar, não enganar ou defraudar ninguém. O indivíduo honesto repudia a esperteza e o desejo de querer levar vantagem em tudo e sobre todos. O oitavo mandamento da Lei de Deus nos aconselha a ter uma vida de honestidade:

 

“Não furtarás”. Êxodo 20:15

O furto é caracterizado quando alguém toma posse daquilo que não é propriedade sua. Algumas pessoas preferem “atalhos” para conquistar aquilo que não lhes pertencem. A pirataria de músicas ou filmes, por exemplo é um desses atalhos muito comuns hoje em dia. Ter um sinal de TV a cabo que não é levado diretamente pela operadora e sim por um “intermediário do bairro” também o é. Nem preciso dizer que o “gato na luz ou na água” é um roubo explícito, preciso?

 

Filosoficamente, a palavra ética vem do grego ethos, e significa: modo de ser e caráter, comportamento. A ética está diretamente relacionada com a nossa conduta em relação ao outro, estabelecendo os princípios e valores ideais para um relacionamento virtuoso e justo. De forma bem prática “Ética é aquilo que você faz mesmo quando ninguém está vendo”.  Ninguém… entre aspas, não é mesmo?

“Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face?”  Salmos 139:7

 

Quando analisamos a história da humanidade, percebemos que a desonestidade não é um problema apenas do homem do século XXI, mas é uma realidade desde os tempos mais remotos, mais precisamente, a partir da entrada do pecado no mundo.  Desde então, o comportamento humano sempre continua deixando a desejar quando o assunto é honestidade.

 

As mesmas pessoas que no dia-a-dia oferecem propina ao agente de trânsito para não serem multadas, ou que recebem um “agrado por fora” para comprar deste e não daquele fornecedor no trabalho, costumam ser ferozes atacantes da corrupção política nas conversas e nas redes sociais.

 

Recentemente, no Brasil, com o episódio da greve dos policiais militares no estado do Espírito Santo, pudemos ver que sem o policiamento nas ruas aumentaram-se exponencialmente os crimes de homicídio e os assaltos.  Famílias inteiras, inclusive com crianças, foram flagradas saqueando lojas.

 

Mas, é possível ser honesto hoje em dia? A resposta é sim. Ao examinarmos a Bíblia Sagrada podemos ver claramente que a honestidade é, não somente possível, como estimulada e exigida por Deus ao seu povo:

 

  • Deus requer e merece honestidade. Salmos 51:6: “Eis que desejas que a verdade esteja no íntimo; faze-me, pois, conhecer a sabedoria no secreto da minha alma. ”
  • O Senhor não aprova desonestidade em transações de negócios. Provérbios 20:23: “Pesos fraudulentos são abomináveis ao Senhor; e balanças enganosas não são boas. ”
  • Os filhos de pais honestos são bem-aventurados. Provérbios 20:7: “O justo anda na sua integridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele. ”
  • As riquezas que foram ganhas desonestamente não duram. Provérbios 21:6: “Ajuntar tesouros com língua falsa é uma vaidade fugitiva; aqueles que os buscam, buscam a morte. ”- e, este último pode fazer o seu pastor ‘pirar’ se ver você o lendo. Não mostre a ele! -rs- :
  • Deus prefere que sejamos honestos de que demos ofertas. Provérbios 21:3: “Fazer justiça e julgar com retidão é mais aceitável ao Senhor do que oferecer-lhe sacrifício. ”(sendo que uma coisa não anula a outra, espertinho(a). Falaremos de dízimos e ofertas em outra ocasião).

 

Portanto, vivendo honestamente entre os homens glorificaremos a Deus pelas boas obras de justiça observadas em nós:

 

“Tendo o vosso viver honesto entre os gentios; para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem”. 1 Pedro 2:12

 

Amém?  Reflita como vem sendo seu agir no trabalho, com seus patrões e/ou empregados; em casa, com sua família; com o que você tem em casa,  com os impostos que você tem que pagar.

 

Faça uma reflexão profunda em todas as áreas e veja se, de repente, você não está impedindo a mão de Deus de agir sobre a sua vida por um ou outro pecado nesta área.

 

Precisando de ajuda para confessar ou consertar algo, chame seu Pastor, ou seu líder de pequeno grupo ou Ministério e converse com ele(a).

Também estou por aqui, se precisar.
Forte abraço! Fique na Paz!
Anderson de Alcantara